quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Tia da Vala


Você viu esta placa? Sabe do que se trata?
Foi neste ano (2.010), época das festas juninas. Um amigo de Santos (Bob) foi a Nova Odessa buscar a Sogra e a Irmã dela (Cris) e veio com elas a Monte Verde.

No sábado foram no Beija Flor aonde a tia Cris tomou quatro garrafas grandes de cerveja.


Aí foram almoçar no Bistrô Villa Donna aonde ela tomou cerveja e vinho branco.

Quando já estava anoitecendo começou uma moda de viola com fogueira no pátio em frente ao Bistrô (época das festas juninas). A mulher do Bob e a irmã da tia Cris olham uma para a outra com cara mista entre medo e desespero!

A tia Cris levanta correndo e começa a cantar junto com o trio, só que lá estavam distribuindo quentão e vinho quente, a tia Cris foi direto no quentão e depois para o vinho quente...

A família tentou levar ela embora, ela falou que não ia. A Izildinha do Meissner Hof se prontificou a dar uma carona para ela quando fosse embora.


O Bob então levou a esposa, a sogra e os filhos pra casa.


Umas duas horas depois a Izildinha me liga, a tia Cris não sabia aonde era a casa, liguei para a família para que fossem busca-la no Meissner Hof, em seguida ligaram o sobrinho e o filho da tia Cris de Nova Odessa para que a buscassem, como ficaram sabendo?


Para ir mais rapidamente o Bob resolveu ir de pijama mesmo.


Chegando ao hotel a tia Cris estava dando um barraco, a sogra do Bob ficou brava e mandou-a entrar no carro mas ao invés disso sabe o que ela faz???


Sai no escuro correndo morro abaixo (a casa deles é morro acima) cai em um buraco e fica só com as pernas de fora.

O buraco justinho, feito para ela, só as pernas dela de fora balançando!!!


E quem a tira de lá???
Bob de pijama e pantufas tentou, mas tinha terra em volta e as pantufas derrapavam.

Com a ajuda de mais três homens fortes conseguem tirar a tia trebada de lá!
A colocam no porta-mala do carro e a levam para casa.

A única coisa machucada foi a moral dela (e só no dia seguinte)...

Nenhum comentário:

Postar um comentário